Viseu Jukebody

21 a 26 Julho, 2015 – Centro Histórico de Viseu

Instalação artística
Coordenação e Sonoplastia: Ana Bento
Assistência à Coordenação Musical: Bruno Pinto (guitarra e baixo) e Ricardo Augusto (acordeão e voz)
Participação/Criação Musical: Tubinianas Matusquelas, Banda Filarmónica do Lar de Sto António, Grupo de Cantares de Manhouce, CATL das Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal de Viseu e Serviços Municipalizados de Viseu, Habitantes do Bairro da Balsa, Coro Azul, Band’Habilus, Gira Foles, Grupo de Bombos “Os Maravilhas”, Nazaré Cardão e Maria Albertina Simões (A Voz do Rock), Catarina Almeida, Bruno Pinto, Ricardo Augusto, Alberto Rodrigues, Joaquim Rodrigues, Leonardo Outeiro e Miguel Rodrigues.
Conceção e Construção da JukeBody: Dona Pata
Produção: Gira Sol Azul

Tem um formato familiar, mas os braços a sairem-lhe do centro e uma cabeça de boneco confundem os sentidos, no entanto dá música, é mesmo uma jukebox, ou jukebody, construída pela artista plástica Dona Pata. Dentro tocam músicas criadas com a comunidade local. Um tipo de trabalho que há muito tem vindo a ser feito em Viseu, pela mão da Gira Sol Azul e que procura incluir educação, comunidade e indústria musical como complemento do património cultural. Para além da contemporaneidade, este projecto apresenta alguma irreverência na medida em que, em oposição à aprendizagem formal da música, se baseia numa aprendizagem participativa em que a energia criativa é apreendida e interiorizada em vez de ensinada. O resultado deste trabalho com a comunidade, com mais ou menos experiência musical, são composições subordinadas a expressões portuguesas com o corpo ao barulho (“Pé de Cabra”; “Dar o Berro”, “Dor de Cotovelo”) que não estão associadas a nenhum género musical específico pois o material musical produzido reflecte os interesses comuns dos envolvidos.

ANA BENTO
Iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música de Viseu. Em 2001, concluiu a licenciatura em Educação Musical e frequentou uma pós-graduação em Musicoterapia no C.I.M. de Bilbao. Paralelamente realizou um percurso formativo na área da pedagogia musical com Pierre Van Hawe, Jos Wuytack, Edwin Gordon, Verena Maschat, Murray Schafer, Soili Perkiö, entre outros. Estudou saxofone com Mário Santos e João Martins e harmonia e combo com Luís Lapa e Joaquim Rodrigues. No início da sua carreira fez parte da Orquestra Juvenil do Centro e, actualmente, integra os projetos Colectivo Gira Sol Azul, Moto Moto, Cabeça de Peixe e Tranglomango, colaborando, pontualmente, noutros projetos musicais, nomeadamente Dirty Coal Train, entre outros. Compôs, interpretou e dirigiu ao vivo a música de vários espectáculos e performances. Actualmente integra, como co-criadora e intérprete, os espectáculos de teatro Microfénix, (Teatro Mais Pequeno do Mundo) e Vissaium, (Teatro Viriato, Viseu). Desde 2008 que colabora em projetos do serviço educativo da Casa da Música (Porto). Fundou a Associação Gira Sol Azul na qual desenvolve vários projetos como Tatatibato, Orquestra Criativa, Orquestra (In)fusão e A Voz do Rock.

RICARDO AUGUSTO
Desde cedo participou em projetos de música tradicional. Concluiu o curso de Professor de Educação Musical em 2003. Estudou Técnica Vocal no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Aveiro. Frequentou o Curso de Animadores Musicais na Casa da Música (Porto). Frequentou Workshops de Jazz-Canto, sob a orientação de Fátima Serro, Manuel Linhares e Rita Maria. Estudou canto com Rita Maria. Encontra-se envolvido em projetos de música tradicional – Acordeão e Voz (“Tranglomango” – folk/rock – e “Azul Espiga” tradicional/jazz) e de música a capella (“Alla Vox”). É membro da “Tuna Académica Infantuna Cidade de Viseu”. Orienta regularmente aulas e oficinas na Escola de Música Gira Sol Azul e noutros locais (Teatro Viriato, Casa da Música, Lugar Presente). É orientador de vários grupos de música tradicional. Participa na “Santar Jazz & Blues – Big Band” como cantor. Participou nos projetos: Orquestra (In)fusão (Viseu) e Stopestra (Porto). Dirige o Coro Azul. Partilha, com Ana Bento, a Direção Musical do projeto “A Voz do Rock”.

BRUNO PINTO
Frequentou o conservatório de música de Viseu bem como o de Aveiro. Concluiu a licenciatura em Educação Musical em 2003. Teve aulas particulares, na área da música jazz, com Luís Lapa (guitarra e harmonia), Carlos Mendes (guitarra e combo), Mário Santos (combo), Paulo Pinto (guitarra), Nuno Ferreira (guitarra). Frequentou diversos workshops e cursos na área do jazz e também na área da educação musical (Jos Wuitack, Pierre van Hawe, Murray Shaefer, Edwin Gordon). Concluiu o VI Curso de Animadores Musicais realizado na Casa da Música – Porto, em 2010/11. Integra os grupos Cabeça de Peixe (guitarra, composição e letras), Tranglomango, Colectivo Gira Sol Azul, Moto Moto, Tributal. Compõe música para teatro e bandas-sonoras. Compôs a banda sonora para o filme mudo Paris Qui Dort, que estreou ao vivo a solo em Julho de 2014 no Teatro Viriato – Viseu. Criou e interpretou pequenos espectáculos a solo para o Teatro mais pequeno do mundo. Colabora regularmente em projetos do serviço educativo da Casa da Música – Porto. Integrou em 2014 pela primeira vez o naipe de guitarras da STOPESTRA – Porto, que actuou nesse mesmo ano nos Concertos da Avenida (Aliados, Porto), sob a direcção do maestro Tim Steiner. Co-fundou a Associação Gira Sol Azul na qual colabora e integra a equipa de vários projetos musicais como concertos para bebés e famílias, Orquestra Criativa, Orquestra (in)fusão e A Voz do Rock. Lecciona nesta mesma associação as disciplinas de guitarra, combo e oficina de guitarra, e orienta ainda uma orquestra de guitarras onde explora repertório original de sua autoria e também peças criadas com a colaboração dos alunos.

PATRÍCIA COSTA
(dona Pata).1974. É o produto de uma licenciatura em design gráfico, mas reconhece a área dos figurinos, criação de ambientes cenográficos e adereços como a sua casa/trabalho. Experimentou e experiênciou muito como freelancer. O trabalho com as mãos e olhos como fita métrica são as suas grandes ferramentas de criação. Desde 2011 que desenvolve trabalho regular com o Serviço Educativo da Casa da Música e mantém portas abertas a quem lhe abrir território.