Sócrates Bôrras Trio feat. Carlos Bica

2 Agosto, 2018 – 23h00
// Parque Aquilino Ribeiro (Palco João Torto)

Concerto: Jazz.
Duração: 70 min. aprox.
Com: Sócrates Bôrras (saxofone); Miguel Rodrigues (bateria); João Carreiro (guitarra) e Carlos Bica (contrabaixo).
Fotografia de Carlos Bica: Nuno Filipe Oliveira
Tag: Jazz.
Duration: 70 min. aprox.
With: Sócrates Bôrras (saxophone); Miguel Rodrigues (drums); João Carreiro (guitar) e Carlos Bica (double bass).
Carlos Bica’s photo by: Nuno Filipe Oliveira

POR
Este concerto resulta do encontro de uma ideia e um conceito musical, comum entre todos os membros. O grupo é composto por Sócrates Bôrras (saxofone), Miguel Rodrigues (bateria) e João Carreiro (Guitarra). Carlos Bica, nosso convidado, junta-se a nós, com todos os seus anos de experiência, internacionalmente, revelando uma perspetiva de universos diferentes, desde o jazz ao rock, do folk às músicas improvisadas. Este concerto será realizado com músicas originais de todos os elementos do grupo, compostas com base nas experiências de cada um e nos momentos importantes da vida de cada um. Será, assim, um concerto emotivo com melodias simples e orgânicas, fazendo o ouvinte reviver momentos em que sentiu essas mesmas emoções.

ENG
This concert is the result of the meeting of an idea and a musical concept, common to all members. The group is composed of Sócrates Bôrras (saxophone), Miguel Rodrigues (drums) and João Carreiro (Guitar). Carlos Bica, our guest, joins us, with all his international years of experience, revealing a perspective of different universes, from jazz to rock, from folk to improvised songs. This concert will be performed with original songs of all the elements of the group, whose composition is based on the experiences and every important moment of each other’s lives. It will be an emotional concert with simple and organic melodies, making the listeners relive moments in which they felt these same emotions.

SÓCRATES BÔRRAS

Sócrates Bôrras iniciou os seus estudos na Escola de Artes da Bairrada aos 7 anos, começando a tocar saxofone aos 8. Obteve, entre outros, o 1.º Prémio no 1.º Concurso de Música Terras de La Salette, e no I Concurso Carlos Marques na Escola de Artes da Bairrada (2006). Obteve o 1.º Prémio no 2.º Concurso de Terras de La Salette, categoria A, (2007). Participou no VI Estágio da Banda Sinfónica da Bairrada em 2007, orientado pelo maestro Lorenzo Della Fonte. Participou na Masterclass de Jazz e num Workshop orientado pelo Quarteto de Saxofones de Amesterdão (2007); no II Workshop de Jazz/Improvisação, orientado por João Martins e Óscar Graça (2007. Participou na primeira e segunda edição do SaxFest, em Aveiro (2008/2009); obteve o 1.º Prémio do 3.º Concurso Carlos Marques na Escola de Artes da Bairrada (2008). Participou no projeto «Férias com Jazz» no Centro Cultural de Belém em 2008. Obteve ainda o 1.º Prémio no 2.º Concurso Nacional de Música de Terras La salette (2009). Participou no Masterclass de Jazz e no concurso do 3.º Festival Internacional de Saxofone de Palmela (2009), onde alcançou o segundo prémio. Obteve o 1.º Prémio no 4.º concurso Carlos Marques na Escola de Artes da Bairrada (2009). Participou no Concurso Prémios Honoríficos “David Russell”, em Vigo, obtendo o Prémio Infantil (2010). Fez parte de uma Big Band do Hot Club de Lisboa, durante 2010/2011. Participou no programa Portugal Tem Talento, onde chegou a duas semifinais, e no programa Globos de Ouro da Sic. Foi convidado para tocar com músicos como James Morrison, José Cid e na apresentação do novo CD da banda Os Azeitonas no Coliseu do Porto e de Lisboa.
Frequentou um curso profissional de Jazz, saxofone, durante três anos na Escola Profissional em Albergaria-a-Velha, onde concluiu o 12.º ano com 17 valores. Participou com a sua escola no Concurso de Jazz, no Teatro de S. Luís, em Lisboa e foram agraciados com o primeiro lugar. Entrou para a Escola Superior de Música de Lisboa no ano letivo, 2014/2015, terminando o 1.º ano com média de 17 valores.
No ano letivo 2015/2016, frequentou o 2.º ano no Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris, ao abrigo do programa Erasmus. Este ano durante o mês de Novembro, este em Berlim numa residência artística, patrocinada pelo Instituto Camões.

MIGUEL RODRIGUES

Miguel Rodrigues nasceu a 1994 em Viseu, onde iniciou os seus estudos musicais.
Concluiu o Curso Profissional de Instrumentista Jazz (nível IV) no Conservatório de Música da Jobra estudando neste âmbito com Abe Rabade, Acácio Salero, André Fernandes, Demian Cabaud, Jesus Santandreu, João Martins, Luis Figueiredo, Marcos Cavaleiro, Mário Costa, Paulo Gomes, Paulo Perfeito, Voro Garcia, entre outros.
Esteve presente em masterclasses de Alexandre Frazão, Chris Speed, Leo Genovese, Michael Lauren, Seamus Blake, Tony Malaby, entre outras.
Integrou o combo vencedor do concurso de escolas não superiores da 11.ª Festa do Jazz do S. Luiz, a fanfarra vencedora do concurso “Brass d’Ferro”, em 2014, e o grupo liderado pelo saxofonista Sócrates Bôrras, que arrecadou o 2.º lugar do Prémio Jovens Músicos em 2016.
Já teve a oportunidade de tocar com excelentes artistas como Albert Cirera, António Zambujo, Bruno Macedo, Carlos Bica, Demian Cabaud, Gileno Santana, Manuela Panizzo, Miguel Araújo, Xosé Miguelez.

JOÃO CARREIRO

João Carreiro nasceu em Lisboa. Estudou primeiro guitarra clássica com Duarte Lamas no Conservatório Regional Silva Marques.
Em 2010, prosseguiu os seus estudos na Escola de Jazz Luiz Villas-Boas.
Frequentou a Universidade Lusíada de Lisboa e a Escola Superior de Música de Lisboa.
Estudou com André Fernandes, Gonçalo Marques, Bruno Santos, Afonso Pais, João Moreira, Nuno Costa, Sérgio Pelágio, Miguel Barrosa, Vasco Mendonça.
Participou também em diversas masterclasses de músicos como Peter Bernstein, Kurt Rosenwinkel, Dave Holland, Guillermo Klein, Jorge Rossy, Ohad Talmor.
Atualmente, reside em Lisboa, onde toca regularmente.

CARLOS BICA
Carlos Bica é um dos poucos músicos portugueses que alcançou projeção internacional, tendo-se tornado uma referência no panorama do Jazz europeu. Entre os vários projetos musicais que lidera e para além das suas participações em outras áreas como teatro, cinema e dança, o seu trio AZUL com o guitarrista Frank Möbus e o baterista Jim Black, tornou-se na imagem de marca do contrabaixista e compositor.

Quando se fala da música de Carlos Bica a crítica costuma salientar a forma como nela se interpenetram referências de diferentes universos, da música erudita contemporânea à folk, ao rock, ao jazz, às músicas improvisadas. O que corresponde, como seria natural, à própria trajectória do intérprete compositor. Aprendeu a tocar contrabaixo na Academia dos Amadores de Música, nos Cursos de Música do Estoril e na Escola Superior de Música de Würzburg, na Alemanha. Foi membro da Orquestra de Câmara de Lisboa, assim como de diversas orquestras de câmaras alemãs, tais como, a Bach Kammerorchester e a Wernecker Kammerorchester. Fez muita música improvisada, durante anos tocou com Maria João, trabalhou e gravou na área da música popular portuguesa com Carlos do Carmo, José Mário Branco, Janita Salomé, Camané e participou em inúmeros festivais de Jazz internacionais em colaboração com músicos como Kenny Wheeler, Ray Anderson, Aki Takase, Alexander von Schlippenbach, Lee Konitz, Mário Laginha, Albert Mangelsdorf, Joäo Paulo, Matthias Schubert, Paolo Fresu, António Pinho Vargas, Steve Arguelles, John Ruocco e entre outros.

A necessidade de projetar na música as vivências do seu percurso musical e o enorme fascínio pelo som da voz e dos instrumentos de arco, levou Carlos Bica até ao projecto “DIZ”, que teve a sua estreia no Festival dos Cem Dias/ Expo’98. Este projeto foi editado pela Enja Records em 2001 e recebeu o prémio de “Melhor disco do ano” da Antena 1/Cinco minutos de Jazz.

Tal como Paris nos anos cinquenta, Berlim é nos dias de hoje um feliz refúgio para os criadores de arte. Tendo Berlim como uma das suas estações, Carlos Bica tem desfrutado dos muitos felizes encontros entre músicos provenientes de culturas e escolas muito diversas. Azul, Diz, Tuomi, Bica-Klammer-Kalima, Essencia, Tango Toy são alguns dos projetos com músicos internacionais que tiveram Berlim como local de nascimento.

Em Outubro de 2005 Carlos Bica edita o álbum “Single” (Bor Land), o seu primeiro álbum de contrabaixo solo, onde músico e instrumento se encontram a sós e onde Bica revela o seu lado musical mais íntimo. “Single” foi nomeado pela revista “Blitz” com um dos melhores álbuns nacionais em 2005.