The Nada

3 Agosto, 2018 – 23h00
• Parque Aquilino Ribeiro (Palco João Torto)

Concerto: Jazz.
Duração: 70 min. aprox.
Com: João Guimarães (saxofone), Eurico Costa (guitarra), Simon (baixo), José Marrucho (bateria).
Tag: Jazz.
Duration: 70 min. aprox.
With: João Guimarães (saxophone), Eurico Costa (guitar), Simon (bass), José Marrucho (drums).

POR
Este projeto tem a sua génese na assunção de claras empatias musicais entre os seus membros, tendo sido a vinda de Simon Jermyn a Portugal um factor decisivo para a sua consolidação.
Sendo o jazz o universo comum entre os seus membros, a premissa de “the Nada” é, desde o início, a da procura de novos cenários e influências de onde a improvisação também possa brotar, bem como da aplicação de conceitos composicionais provenientes de outras correntes musicais. A exploração sonora com recurso a efeitos electrónicos e a sua coexistência com sons acústicos alavanca, muitas vezes, o potencial pictórico e amplia a diversidade paisagística deste grupo.
Assim, sente-se a presença de elementos característicos da música electrónica, da música tradicional, do rock, da música improvisada e da composição erudita contemporânea, bem como do jazz.
Em suma, o projeto pretende-se uma plataforma onde possam co-existir um “beat” de influência electrónica com uma melodia de índole tradicional, ou onde de uma explosão “rockeira” desponte um solo subsidiário do “freejazz”.
A improvisação e a expressão artística de carácter vincado são elementos agregadores fortes.

ENG
This project has its origin in the assumption of clear musical empaths among its members, and the coming of Simon Jermyn to Portugal was a decisive factor for its consolidation.
Since jazz is the common universe among its members, the premise of “The Nada” is, from the beginning, the search for new scenarios and influences from which improvisation can also emerge, as well as the application of compositional concepts from other musical currents. Sound exploitation using electronic effects and their coexistence with acoustic sounds often leverages the pictorial potential and extends the landscape diversity of this group.
Thus, there is the presence of elements that are characteristic of electronic music, traditional music, rock, improvised music and contemporary erudite composition, as well as jazz.
In short, the project intends a platform where a “beat” of electronic influence can be co-existed with a melody of a traditional nature, or where a “rock” explosion sets off a subsidiary soil of “freejazz”.
Improvisation and artistic expression of creased character are strong aggregating elements.

JOÃO GUIMARÃES

Nasceu em 1984 no Porto e iniciou os seus estudos musicais desde muito cedo e no saxofone e no jazz aos 9 anos de idade com Mário Santos no Instituto Orff do Porto. Concluiu em 2006, aos 22 anos, no Porto, a Licenciatura em Jazz – Saxofone na ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo). Frequentou workshops e aulas particulares com músicos que considera extremamente importantes para a sua formação, tais como Mark Turner, Chris Cheek, Lee Konitz, Maria Schneider, Greg Osby, Miguel Zénon, David Binney.
Entretanto tem trabalhado em várias formações da cena jazzística portuguesa de entre as quais se destacam o Demian Cabaud Quarteto, Paula Sousa Quarteto, João Guimarães Quinteto e Liftoff. Gravou os dois discos da Orquestra de Jazz de Matosinhos, um dedicado ao repertório de Carlos Azevedo e Pedro Guedes, com Chris Cheek e Jordi Rossi, e o outro com Lee Konitz/Ohad Talmor. Integrou a banda Insert Coin.
Em 2009 ganhou uma bolsa Fulbright que aproveitou para frequentar um mestrado na Manhattan School of Music em NY onde teve a oportunidade de estudar com David Liebman, Phil Markowitz, Steve Wilson, George Garzone, Jim McNeely e Mariah Wilkins. Estudou também Composição com Nils Vigeland. Durante os 3 anos que viveu em NY manteve projetos musicais que o levaram a trabalhar com Travis Reuter, Allan Mednard, David Virelles, Sebastien Ammann, Nico Dann, Owen-Stewart Robertson, Lauren Falls, Leon Boykins, André Matos, Simon Jermyn, Sanako Nagano, Omercan Sakar, William McEvoy, Joanna Sternberg, Daniel Stein e Yago Vasquez.
Atualmente vive no Porto e lidera um Octeto que apresenta o seu disco de estreia ZERO (TOAP 2013), assim como um estúdio e sala de ensaios no STOP.

EURICO COSTA

Concluiu em 2002 o curso de Guitarra Clássica do Conservatório de Música do Porto. No mesmo ano ingressou na Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, no Porto, onde concluiu a licenciatura em Jazz – Performance em Novembro de 2006. Estudou com professores como Nuno Ferreira, Afonso Pais, Carlos Azevedo e Pedro Guedes, entre outros.
Durante a sua formação académica teve a oportunidade de participar em diversos workshops e masterclasses com alguns dos mais prestigiados músicos de jazz da actualidade, nomeadamente Richie Beirach, Cecil Bridgewater, Peter Erskine, James Carter, Matt Wilson, Jeff Williams, Frank Mobüs, André Fernandes, Jonathan Kreisberg, Aaron Goldberg, Bill McHenry, Mark Turner, Chris Cheek, Andrew d’Angelo, Steve Cardenas, Lage Lund e Hal Crook.
A sua experiência profissional é variada e conta com incursões no mundo da música improvisada, realização de bandas sonoras “live”,
participações em peças de teatro, projeTos de world music e de rock.
No entanto, é no jazz onde concentra a sua maior atividade, designadamente nas formações Eurico Costa Quarteto, Eurico Costa Trio,
Ensemble Super Moderne, ZERO – João Guimarães Octeto, pLoo e no seu mais recente projeto, the Nada.
Colabora regularmente com o Remix Ensemble, a Orquestra Jazz de Matosinhos e a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.
No âmbito dessas colaborações atuou já em salas como Sala Guilhermina Suggia (Casa da Música), Wiener Konzerthaus, Volksbühne
Berlin, Kampnagel, São Luiz Teatro Municipal, Theatro Circo, bem como nos festivais do Avante, de Paredes de Coura, de Vilar de Mouros e Guimarães Jazz.
Atualmente leciona na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo e na Escola de Música Valentim de Carvalho, as disciplinas de guitarra jazz e combo, além de, pontualmente, realizar oficinas de jazz e improvisação.
É membro fundador da Associação Porta-Jazz, entidade que se dedica à divulgação e promoção do jazz na região norte do país.

SIMON JERMYN

Simon é um baixista elétrico, guitarrista e compositor, natural de Dublin, Irlanda, e que vive em Brooklyn, NYC.
É membro de numerosos projetos, incluindo seu próprio grupo aclamado pela crítica, Trot A Mouse com Tom Rainey, Ingrid Laubrock e Mat Maneri.
Toca também com o renomado baterista Jim Black, no seu grupo Smash e Grab, que recentemente tocou a música do icônico compositor John Zorn no Village Vanguard (fazendo de Jermyn o segundo músico irlandês a tocar nesse clube icónico. O primeiro é o grande Louis Stewart), Faz parte ainda de um trio fruto da colaboração entre o baterista Allison Miller e o saxofonista Jerome Sabbagh, chamado Lean, Howard Peach (com Lander Gyslelinck na bateria e Chris Speed no sax tenor), bem como seu projeto solo de fitas intitulado Spirit Spout, encomendado pelo PRS for Music Foundation, IMC e Culture Ireland, que apresentou em performance recente no London Jazz Festival.
Simon foi o beneficiário de um PhD em música da Universidade de Ulster. De seu álbum solo “Hymni”, Bruce Lee Gallanter da Downtown Music Gallery disse: “De longe, este é o melhor esforço de baixo elétrico solo que eu ouvi desde o clássico álbum solo de Hugh Hopper ‘1984’ de 1973.”
De sua estreia de discos de Skirl com Trot A Mouse, o Irish Times disse: “O saxofonista Ingrid Laubrock, o violist Mat Maneri e o baterista Tom Rainey podem não estar preocupando o topo das tabelas de vendas, mas representam a vanguarda da música improvisada americana e, com registros como esse, Simon Jermyn está a reivindicar um lugar entre eles.”
Desde que se mudou para Nova York, Simon teve a oportunidade de se apresentar com Bill McHenry, Ben Monder, Jim Black, John Hollenbeck, Oscar Noriega, Chris Speed, Tony Malaby, Ralph Alessi, David Binney, Dan Tepfer, Ches Smith, Loren Stillman, Jonathan Finlayson, Satoshi Takeishi, Quarteto de Mivos, Jacob Sacks, Jeff Davis, Briggan Krauss, Tommy Crane, Tyshawn Sorey, Nate Wood, Kirk Knuffke, Atlas Empyrean e Glass Ghost entre outros.

JOSÉ MARRUCHO

José Marrucho nasceu em 1984. Músico natural do Fundão, reside atualmente no Porto. Estudou na Academia de Música e Dança do Fundão, Escola Hot Clube de Lisboa e na ESMAE no Porto. Participou em Workshops e aulas com Mark Turner, Jason Lindner, Dan Weiss, John Riley, David Binney, Marc Ducret, entre outros. Teve a oportunidade de tocar com The Experience (tributo a Jimi Hendrix), Underground Spitual Band (Afro Beat), Orquestra Metropolitana de Lisboa, Reunion Big Jazz Band, Big Band Nacional da Juventude, Big Band do Hot clube de Portugal, etc.
Actuou em espaços como Festival de Paredes de Coura, Teatro São Luiz, Centro Cultural de Belém, Casa da Música, Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde e em diversos festivais de jazz.
Gravou com Zelig (“Joyce Alive”), AP Quinteto (“6 e 5”), Coreto (“Aljamia” “Mergulho e “Sem chão”), Sexteto de Miguel Moreira (“Câmbio”), João Mortágua (“Janela”) e “The Nada” Teve a oportunidade de tocar com a Orquestra Nacional da Juventude, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Gilad Hakselman, Bernardo Moreira, Mário Santos, Claus Nimark, Nuno Ferreira, Ivan Paduart, Carlos Barreto, Demian Cabaud, Nelson Cascais, Reunion Big Jazz Band, Big Band do Hot Club, Filipe Melo, Lucia Martines, Afonso Pais, Albert Bover, combo da ESMAE vencedor do concurso da Festa do Jazz do S. Luís em 2007, entre outros.
Começou a lecionar em 2006 na Escola de Jazz do Porto e atualmente encontra-se na Valentim de Carvalho (Porto).

MAIS * MORE

Bandcamp
Facebook
Spotify

VÍDEO * VIDEO